top of page

Fora e dentro: equilíbrio

Sabemos que permitir, validar, possibilitar e incentivar a expressão humana em todas as suas nuances é a serventia da língua?

Aula de conversação ou bate-papo?

Geralmente, as aulas de conversação em língua adicional são procuradas por três tipos de pessoas.

O tal ensino bilíngue

O problema da expansão desse cenário é que a gente vai acostumando a ver “bilinguismo” como mero sinônimo do bilinguismo de escolha.

Como subverter a colonialidade linguística

Não basta questionar a colonialidade linguística que nos assola, se esse questionamento não transformar a experiência dos nossos alunos.

Questionando a colonialidade linguística

Isso significa substituir a defesa da pronúncia do falante nativo pelo reconhecimento de que todo mundo tem sotaque.

A colonialidade e a professora submissa

O povo brasileiro se encontra distante do conhecimento de línguas de prestígio.

Colonialidade religiosa: precisamos falar sobre isso

A colonialidade é o próprio cerne do cristianismo. Sempre foi, pois é a premissa que embasa toda a sua lógica argumentativa.

Causas e efeitos

A tomada de decisões sobre o que fazer com os dados por empresas infiltradas no Estado tem muito a ver com o modo como tratamos a língua.

Identitarismos

Acho que a reflexão de hoje está um pouco mais profunda do que de costume, prof. Mas tem alguns pensamentos que preciso dividir com você....

Métodos não funcionam

É muito comum que professores de língua iniciantes comecem a ensinar em uma escola que oferece treinamento metodológico.

Direitos desumanos no Brasil

Não está sendo fácil viver no Brasil... ao menos não para quem não faz parte de nenhum grupo de disseminação de ódio a qualquer minoria.

Políticas para combater o preconceito linguístico

Há alguns dias, fiz um post sobre a língua como prática social no LinkedIn. Recebi alguns comentários interessantes.

Falante nativo: um infeliz e persistente mito

Vamos direto ao assunto: o tal falante nativo que se vive endeusando como modelo simplesmente não existe.

Currículo Lattes e resistência contra o obscurantismo

Hoje completam-se dois anos de pandemia "oficializada" no Brasil. E a cada momento surge uma nova notícia demonstrando o negacionismo.

Competência crítica ou competência sem crítica?

As políticas educacionais têm focado cada vez mais na aprendizagem enquanto absorção de informações em quantidade.

Colonialidade e currículo

Quem cria o currículo? Quem define o que é importante saber, e o que fica de fora? Quais são os interesses que embasam essas decisões?

Educar com autonomia e para a autonomia

Ensinar de forma democrática passa por lapidar a capacidade crítica de quem aprende, sua curiosidade e sua insubmissão.

Educação Bilíngue e seus desafios no Brasil

Falar de educação no Brasil é sempre uma tarefa desafiadora. A precariedade histórica desse direito no nosso país, junto a ataques cada...

Blog: Blog2
bottom of page