top of page
  • Foto do escritormarina.grilli.s

Profissionais da educação e o Duolingo

Eu sou professora de línguas há 18 anos e defendo o uso do Duolingo.


“Como assim, Marina? Você está dizendo que um aplicativo de celular equivale a aulas com uma pessoa formada para ensinar?”

Não, não estou dizendo isso.


“Você está dizendo que basta jogar um joguinho cheio de frases repetitivas para aprender uma língua?”

Não, não é isso.


“Você concorda com a desvalorização do trabalho docente e a ideia de que a inteligência artificial pode substituir qualquer profissão?”

Não.


“Então quer dizer que estudar por meio de livros é uma prática ultrapassada e desnecessária?”

Também não.


jovem negra estudando com o duolingo

Acontece que nenhum método de ensino é perfeito. Em vez de se perder tanto tempo memorizando e aplicando metodologias de ensino, profissionais da Educação Linguística deveriam focar mais em estilos de aprendizagem: o que funciona para uma pessoa não vai funcionar para outra.


Por isso, é importante testar o máximo possível de recursos existentes e diversificar as fontes de contato com a nova língua: se o livro didático tem um papel, o aplicativo gamificado tem outro. Se a aula ministrada por uma pessoa devidamente preparada faz toda a diferença, a busca por um passatempo divertido que envolva a língua também faz.


O único jeito de superar o enorme distanciamento entre o povo brasileiro e as línguas adicionais é parar de criticar as oportunidades de contato linguístico que as novas tecnologias nos oferecem. Aí entra o famoso Duolingo, mas também qualquer outro aplicativo ou jogo eletrônico que proporcione esse contato.


Chega de insistir na ideia de que só a aula tradicional é espaço de produção - ou, pior, de “transmissão” - de conhecimento. Essa postura, além de ultrapassada, é elitista: quem consegue ter acesso a um curso de língua hoje? Certamente não é a maior parte do povo brasileiro.


O nosso papel, enquanto educadores linguísticos, não é guardar a sete chaves o precioso conhecimento que poucos conseguirão alcançar. É o oposto disso: desmistificar a língua.


Tornar o acesso a ela cada vez mais acessível e mais leve. Mostrar que existem muitos caminhos para aprender - e que todo mundo tem o direito de encontrar o seu.


 

Este texto foi escrito em linguagem neutra de gênero. Doeu? ;)

41 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
Post: Blog2 Post
bottom of page