top of page
  • Foto do escritormarina.grilli.s

Conservadorismo e ensino de língua: a receita do fracasso

Escrevo este texto no primeiro dia do inverno de 2024, uma sexta-feira. Essa foi uma semana de surpresas nada surpreendentes entre as notícias que tomaram o Brasil, e novamente eu venho aqui para te mostrar o que tudo isso tem a ver com o ensino de língua.


1. Extrema-direita odiando mulher* - a PL do estuprador

2. Mulher banqueira de extrema-direita - a CEO do Nubank compactua com o grupo de ódio e fake news Brasil Paralelo

3. Pastor evangélico de extrema-direita defendendo a ignorância da mulher - André Valadão diz a fiéis que bíblia vale mais que faculdade


bíblia cristã


O sistema de produção capitalista deriva da colonialidade. Deriva da ideia de que a Europa é o continente do progresso e da civilização - ainda que estivessem chafurdando em peste negra quando inventaram isso, enquanto as populações ameríndias sabiam minimamente manter a higiene. Enfim.


Foi essa idealização da Europa que criou o elitismo brasileiro. "Falar como um nativo", porque só a língua do europeu era língua de verdade. 


E as populações não-brancas foram sendo relegadas a mão-de-obra braçal, porque "eram primitivas". Só o branco tem intelecto: penso, logo existo. O índio seminu, a africana do quadril avantajado, não eram gente.


Claro que tudo isso só foi possível por meio de um poderoso mecanismo de lavagem cerebral: o cristianismo. Tem que se vestir, não pode dançar, não pode fazer o que quiser com o próprio corpo. Corpo esse que pertence aos brancos, quer dizer, a Deus - um Deus branco, distante, vigilante e punitivista.


Um Deus que morre de medo do útero, esse sim gerador da vida, e por isso faz de tudo para controlá-lo cruelmente.


Em muitos sentidos, o conservadorismo saiu do esgoto brasileiro em 2018 - mas, em outros, ele nunca se escondeu. Aprender "cultura" europeia na aula de língua. Admirar as instituições do Norte Global, construídas com o nosso ouro.


Se humilhar tentando "falar como um nativo", isto é, ser validado por um europeu (ou estadunidense). E o tal nativo, assim que souber que você nasceu no Brasil, provavelmente vai mudar a forma como te trata.


Banir tópicos polêmicos que realmente fariam o aluno falar, como religião e política - depois não saber por que é tão difícil trabalhar a tal da motivação.


América do Sul - do ponto de vista do Sul

Combater o conservadorismo, o elitismo, o capitalismo e o fundamentalismo cristão é necessário para resgatar a voz do brasileiro.


Enquanto o pensamento de quem ensina língua for colonizado, não vai ter brasileiro fluente em língua nenhuma - salvo as poucas exceções que provam a regra.


 

*nem todas as pessoas com útero são mulheres. Mas a ideologia cristã não aceita isso.

12 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page